Boneca Momo volta a aterrorizar pais pela internet

Pais relatam que imagens da boneca aparecem entre vídeos e desenhos na internet.

A boneca Momo voltou a ser notícia nas últimas semanas. Isso porque vários pais, no Brasil e no mundo, relataram que imagens da boneca aparecem em vídeos e desenhos do Youtube Kids.

Enquanto a criança assiste conteúdo infantil, o vídeo é abruptamente interrompido e a imagem da boneca de olhos esbugalhados, pele pálida e sorriso sinistro aparece, incentivando os pequenos a se automutilarem e a se suicidarem.

De acordo com depoimentos, a boneca dá instruções, em inglês, de como pegar objetos cortantes em casa e ensina como cortar os pulsos. Há trechos em que ela pede para as crianças machucarem pais, irmãos e amigos.

Para influenciar os pequenos a realmente fazerem os atos pedidos, a boneca retorna no fim do vídeo com ameaças e diz que, caso a criança não cumpra a ordem, ela vai voltar para pegá-la durante a noite. Assim, causando medo, é mais provável que a criança realmente o faça.

Trecho da aparição da boneca Momo

É muito importante que os pais se aproximem dos filhos e conversem sobre o que está acontecendo. O cuidado pode evitar tragédias.

O que diz o Youtube

Em resposta à revista Crescer, o Youtube redigiu o seguinte comentário, negando que exista conteúdo envolvendo a boneca Momo em sua plataforma:

“Ao contrário dos relatos apresentados, não recebemos nenhuma evidência recente de vídeos mostrando ou promovendo o desafio Momo no YouTube Kids. Conteúdo desse tipo violaria nossas políticas e seria removido imediatamente. Também oferecemos a todos os usuários formas de denunciar conteúdo, tanto no YouTube Kids como no YouTube. O uso da plataforma por menores de 13 anos deve sempre ser feito pelo YouTube Kids”.

A boneca Momo já assustou os brasileiros em 2018

Em setembro de 2018 os brasileiros conheceram a boneca Momo. Por meio do Whatsapp as crianças eram desafiadas a se machucarem e cometerem suicídios. Também havia ameaças, caso os desafios não fossem cumpridos.

Foram registradas várias mortes neste período. Confira a matéria completa sobre o assunto neste link.

Voltar para a Página Inicial

DEIXE UM COMENTÁRIO

Insira seu comentário
Por favor digite seu nome